in

Abril mês da visibilidade indígena

Quantas cantoras indígenas você conhece? No mês de abril é celebrado o dia do índio, mas você realmente conhece a realidade da histórias das etnias indígenas no Brasil. Então, vem com a Hora do Sabbat em abril, que traremos semanalmente apresentaremos cantoras de todos os povos indígenas que conseguirmos encontrar. Do Brasil e do mundo!

O programa essa semana contou com a participação de Criara Luz com os conselhos do Tarot, Camila Genaro com No fio da história e Flora Miguel com uma exclusividade de lançamento musical. É isso mesmo, vamos ouvir um trecho da música Quilombo do grupo Samba de Dandara, a partir de sexta feira, 3 de abril, você poderá conferir a cançaõ na íntegra.

O tema central do programa foi a abolição da escravidão do povo indigena no Brasil que aconteceu em 1758. A principio houve uma primeira lei que não libertava os índios já escravizados, mas impedia que novos indiso fossem capturados e viver como escravos. Em 1° de abril de 1650 foi publicado esse decreto e foi propagado como uma piada de 1° de abril de 1650, mas só em 1758 que Marque de Pombal assinou o fim da escravidão como uma estratégia de ser mais amigável com os indios.

Começamos com conselhos de Criara Luz, que nos traz o 4 de espaddas, que pede recolhimento, olhar pra si mesmo, muito apropriado para a crise atual, a pandemia do covid 19. Então desobedeça o presidente e ouça Criara, os médicos e o resto do mundo.

Ainda sobre a covid-19, só tenho duas coisas a dizer: 1- fiquem em casa e 2- a natureza está adorando que paramos de destruí-la um pouco com nossos carros, indústrias e caminhões! Parabéns humanidade, será que agora fica claro nosso papel nessa grande rede da vida chamada natureza?

No fio da história dessa semana traz a verdade, a intuição, a acusação e a fábula pra mostrar que ainda estamos extramente pautados nas aparências. Adoramos a história, então aperta o play e curte ai! Flora miguel nos trouxe a preciosidade do samba de dandara uma entrevista com maíra da rosa com música nova e trecho exclusivo para nós da música quilombo que será lançada amanhã sexta feira, 3 de abril!! Que honra!

A escravidão no brasil teve início em 1530 e chegou ao fim em 1888. Começou com os portugueses que chegaram, encontrarm os povos indígenas. Através de uma ocupação sistemática da américa portuguesa, utilizando o modelo das capitanias hereditárias, o que conhecemos com período pré-colonial, a prática do escambo, utilizando mau de obra indígena para a exploração do pau-brasil.

Os indígenas foram os primeiros escravizados justamente por ser quem estava aqui. A escravização dos indígenas era mais barata, mas uma série de fatores tornavam-na mais complicada de sustentar-se. Só com a “dificuldade” em manter a escravidão dos indios é que começaram a escravizar os povos africanos.

Primeiro, havia uma questão cultural, pois os indígenas não estavam acostumados com uma rotina de trabalho, esse modelo que preza a produção de excedentes. Para os indios trabalhar não era um habito, uma tradição e, de fato, o trabalho na lavoura, na tradição indígena, era um trabalho realizados pelas mulheres.

A questão demográfica era relevante. A população de indígenas, sobretudo no litoral, reduziu-se sensivelmente na medida em que avançava a colonização portuguesa. Isso se explica pelo fator biológico, pois doenças trazidas pelos portugueses eram fulminantes para os nativos, mas também pelos conflitos com os portugueses e pela escravização, os quais resultaram na morte de indígenas aos milhares.

As fugas também eram constantes, pois os indígenas, conheciam o território, conseguiam escapar e dificilmente eram recapturados. A atuação dos jesuítas no interior da américa portuguesa, iniciavam para a catequização e exploravam a mão de obra destes na produção nas lavouras de cana e café. Os Jesuítas também são grande responsáveis pela disseminação de doenças nos índios.

Os portugueses se aproveitavam das lutas entre povos para formar exército, ofereciam ajuda em troca de trabalho, no caso como escravos. Mas estamos aqui para falar das cantoras! Tocamos no programa Brisa Flow que já é reconhecida na cena rap, Djuena Tikuna da Amazônia que canta a tradição do seu povo, Kae Guajajara do Maranhã enveredou no rap, Katu Mirim que também já um nome reconhecido por outras cantoras de rap, participou do wme awards e convidou Kae. Finalmente tocamos Souto Mc.

Na semana que vem terá canto Maori, indígenas do Canadá, México e América Latina. Bom fim de semana e aproveito o programa.

Arrasta o sofá e as cadeira e vem dançar

Agenda cultural – atividades em vilas culturais e editais marcam programação de maio