in

Confira os cinco melhores discos de 2021

cinco melhores

Fala galera!!! No Programa de hoje você ouve músicas dos cinco melhores discos de 2021 no mundo do Punk Rock e afins. Pois é, teve muita coisa boa no ano que se passou.

AlmA Londrina Rádio Web
AlmA Londrina Rádio Web
Confira os cinco melhores discos de 2021
/

Vamos ao que interessa! Em 5° lugar, coloco a banda Every Time I Die, da Epitaph Records, com o álbum “Radical”, um disco sufocante e denso, com riffs de guitarra em ziguezague, mudanças de ritmo, quebras de melodias, prodigiosas embaladas de parede a parede e do chão ao teto. 

O vocalista Keith Buckley também está em boa forma aqui, apresentando uma performance vocal feroz, alimentada por suas frustrações com nossa crise climática, guerras sem fim, racismo, brutalidade policial, pandemia, religião e capitalismo. Vamos ouvir 2 músicas do álbum “Radical”, com “Post-Boredom” e “Planet Shit”.

Em 4º lugar, vamos com os ingleses do Chubby And The Gang, com o LP “The Mutt´s Nuts”. Uma vez que eu apertei o play neste disco, eu sabia que ia ser viciante. Cada batida é como um mini hit. As músicas são grudentas e te fazem balançar a cabeça.

O pop rock punk psicodélico de Chubby And The Gang e seus colapsos perfeitamente posicionados são o que colocam “The Mutt’s Nuts” no 4º lugar. Vamos ouvir as faixas “All along The Uxbridge Road” e “Coming Up Tough”.

Em 3º lugar vamos com os australianos do Amyl And The Sniffers. O quarteto punk de Melbourne lançou o terceiro disco em 2021. Amy Taylor e companhia co-produziram “Comfort to Me” com Dan Luscombe, escrevendo seu novo trabalho durante a quarentena do COVID-19.

O resultado é um punk rock feroz e melódico que parece empurrar em todas as direções ao mesmo tempo, mas a energia explosiva da banda esconde um grau surpreendente de coração: “Eu não estou procurando problemas / estou procurando amor”, Taylor canta em “Security”, de alguma forma conseguindo manter um bolsão de serenidade no olho da tempestade caótica da banda.

“Este álbum é apenas nós, autoexpressão bruta, energia desafiadora e vulnerabilidade sem remorso”, disse Taylor em um comunicado. “Foi escrito por quatro músicos autodidatas que estão apenas tentando sobreviver e se divertir.”. Enfim, vamos ouvir 3 pérolas, com “Herts”, “Guided By Angels” e “Security”.

No segundo bloco vamos falar da 2ª posição de melhor disco de 2021, ocupada pelo álbum “Glow On”, dos americanos Turnstile. Uma das tendências musicais mais visíveis de 2021 é a introspecção silenciosa.

Em todos os gêneros, artistas se dobraram para dentro. Embora discos como esses sejam cativantes em seus próprios direitos, também é interessante ouvir artistas irem contra essa corrente. Isso é exatamente o que a banda de hardcore de Baltimore, Turnstile, fez em seu último álbum.

Com produção de Mike Elizondo, indicado ao Grammy por seu trabalho, e coprodução do vocalista Brendan Yates, “Glow On” é o trabalho mais completo do grupo até agora. Eles usam o projeto a todo vapor de seu excelente segundo álbum, “Time & Space” de 2018, e o expandem.

 “Glow On” mostra muita ambição da banda com um registro que amplia seu escopo. Ao longo das 15 faixas, o som recém-expandido nunca vacila, e os vê brincando com novos efeitos e texturas, mantendo a abordagem vigorosa. 

Ao mesmo tempo, Turnstile avança sem perder de vista o que os tornou tão intrigantes para começar. “Glow On” não é apenas um dos melhores álbuns de hardcore do ano, mas também um dos melhores do ano em geral. Vamos ouvir “Mystery”, “Blackout”, “Holiday” e “Don´t Play”.

Agora chegou a hora do 1º lugar, que ficou com os americanos do Authority Zero, com o brilhante álbum “Ollie Ollie Oxen Free”. O Authority Zero é uma daquelas bandas que, pelo menos no Brasil, as pessoas conhecem e gostam, ou as pessoas nunca ouviram falar. 

E isso é uma pena, pois eles são uma das bandas punk mais consistentes e trabalhadoras por aí. “Ollie Ollie Oxen Free”, seu oitavo álbum de estúdio, é uma compilação melódica e rock de músicas que não podem te deixar de mal humor.

Abrindo com a faixa-título, que foi originalmente lançada em fevereiro, “Ollie Ollie Oxen Free”, começa com um chamado às armas para as pessoas saírem e tocarem, por assim dizer, após o horror que foi o último ano.

 Com uma batida de bateria e riffs de guitarra completos, a música é cativante com um refrão que fará os fãs cantarem juntos. “Nowhere’s Land” dá sequência de maneira semelhante.

 Rápido e furioso, o disco conta com as impressionantes habilidades do guitarrista, e novo membro do Authority Zero, Eric Walsh, que também figura nos californianos do Pour Habit. 

Mantendo o ritmo otimista e a batida rolante de Chris Dalley, a faixa “The Good Fight” segue com sua mensagem de esperança. 

“Fire Off Another” mantém um ritmo constante, mas permite que a voz de DeVore brilhe com o refrão memorável: “Estou certo, você está errado, podemos fazer isso o dia todo, dispare outro round…” com a ponte adicionando outra textura à música.

Tirando as coisas de volta com um violão, “A New Day” é uma música assombrosa, e deixa o poder de Jason DeVore e os backing vocals tomarem a frente e o centro. 

“Don’t Tear Me Down” será um grande favorito para os fãs de punk, pois apresenta Jim Lindberg do Pennywise e é basicamente uma música do Pennywise em seu som e execução (o que não é de forma alguma um insulto). “Have You Ever” segue, retomando com o refrão cativante.

Se você está dormindo quanto ao Authority Zero, você precisa corrigir isso imediatamente. “Ollie Ollie Oxen Free” é o passeio musical mais forte da banda, desde o engenhoso “Broadcasting To The Nation”. É um encapsulamento perfeito de quem é e do que a banda trata.

Vamos com o que interessa, as cinco melhores punkadas do disco com “Ollie Ollie Oxen Free”, “Fire Off Another”, “Nowheres Land”, “Ear to Ear” e por fim “The Back Nine”.

carnaval 2022 - londrina

AlmA transmite mini desfile de Carnaval neste sábado

fama

Não importa a fama se o valor é sentimento