in

Gon traz o brilho de sua música para o Sons do Brasil

Gon podcast Sons do Brasil

Gon (https://www.facebook.com/eusougon) é o destaque do sexto episódio do Sons do Brasil pela Alma Londrina Rádio Web. Carlos Henrique Vilela, um dos criadores do “Hack Town”, é o outro convidado deste podcast.

Confira o bate-papo, as músicas e reflexões destes agentes atuantes da música brasileira independente:

Gon traz o brilho de sua música para o Sons do Brasil

 
 
00:00 /
 
1X

Por Serginho Sagitta.

O cantor e compositor Gon, de São Vicente (SP), fala sobre o seu primeiro EP “Origami”, o início na música, aprendizados, relacionamentos musicais e a música finalista do FENAC 2020. De 2018 até o momento, Gon lançou os singles “Serapião”, “Sinhô” e “Origami”, respectivamente. O trabalho dele é influenciado pelo indie-folk nacional e internacional.

Recebemos também um dos criadores do “Hack Town”: Carlos Henrique Vilela, da ponte São Paulo / Santa Rita do Sapucaí (MG). Vilela aborda o Hack Town, um evento que reúne música, artes, tecnologia e economia criativa, inspirado no SXSW que acontece em Austin todos os anos.

Além de Gon e Carlos Henrique Vilela, nos “Pitacos Sons do Brasil” nós teremos outras apresentações. Músicas de Fernando Moraes (Ibiúna – SP / Votorantim – SP), Luana Mascari (Caraguatatuba – SP) e da banda King In The Belly (Santa Rita do Sapucaí – MG).

Sons do Brasil

O programa Sons do Brasil iniciou em 2010. No início, o Sons do Brasil era um projeto de shows presenciais ao vivo na capital paulista com artistas independentes. Mas depois se tornou programa de rádio com o mesmo objetivo: promover e disseminar músicas autorais.

O Sons do Brasil é veiculado originalmente pela Rádio USP FM, 93,7 em São Paulo, 107,9 e em Ribeirão Preto todos os domingos, às 14 horas, com reapresentação todas as quintas-feiras a meia noite.

O programa ainda é veiculado pela Rádio Internova todas as terças-feiras, às 21 horas, e domingos, às 10 horas, e Rádio Bloco todas as quartas-feiras, às 22 horas.

“Sem limites” e o mito do uso de 10% do cérebro

Steppenwolf Azylo Hotel

Steppenwolf, MC5 e outras pérolas dos anos 60 e 70