in

São Francisco de Assis: o padroeiro da Itália

O I Bravissimi Cast estreia hoje com o primeiro episódio sobre São Francisco de Assis, o padroeiro da Itália. Letícia Cazarin apresenta a história deste santo e o significado do dia 4 de outubro para os italianos católicos.

Ouça o podcast:

São Francisco de Assis: o padroeiro da Itália
I Bravissimi Cast

 
 
00:00 /
 
1X

Por Letícia Cazarin.

Entre 1181 e 1182, um menino que logo seria conhecido como São Francisco, nasceu. Filho de um artesão e uma francesa, ele cresceu com grandes ambições. Foi criado pelos pais com arrogância e vaidades do mundo. Por reflexo da sua criação, se tornou um homem extremamente ambicioso e extravagante.  

Alguns relatos diziam que ele era muito inteligente, trabalhou com seu pai vendendo tecidos, mas com um estilo completamente diferente, porque era muito mais alegre do que o pai. O jovem gostava de cantar e se divertir, de passear durante o dia e à noite com amigos. De mão aberta, gastava em banquetes todo o dinheiro que ganhava ou conseguia arranjar. Gostava tanto de parecer excêntrico e original que mandava costurar numa mesma roupa tecidos preciosos junto com outros de nenhum valor.

Em torno dos 20 anos, encarou a guerra com seus próprios olhos. Lutou ao lado do “povo”, conhecendo ao vivo a violência e as feridas. Viu a morte de amigos, crianças, homens e mulheres da sua cidade. Mas, também, aprendeu a construir muros e erguer paredes, adquirindo a habilidade manual e as técnicas de construção que serviriam como ajuda mais tarde, ao restaurar igrejas e capelas.

Quando Francisco e alguns habitantes de Assis foram capturados, ele acabou nos cárceres inimigos, onde permaneceu por mais de um ano. Após, ser liberto da prisão, ele se tornou ainda mais empático com os necessitados e decide jamais negar ajuda.

Então, ele procurou se alistar numa expedição à Apúlia, recebeu um chamado de Deus. Obediente, ele voltou para a cidade natal e se dedicou a uma vida mais humilde. Aos 25 anos, Francisco vendeu tudo o que tinha, levou o dinheiro ao padre da Igreja de São Damião e pediu permissão para viver com ele.

Pedro, seu pai, ao saber o que ele tinha feito, foi buscá-lo indignado, levou-o para casa, bateu nele e o prendeu. Não demorou muito para sua mãe o libertar. Francisco voltou para a igreja e seu pai foi de novo buscá-lo. Mandou que ele voltasse para casa ou que renunciasse à sua herança.

Francisco então renunciou a seus bens e disse: “As roupas que levo pertencem também a meu pai, tenho que devolvê-las”. Em seguida se desnudou e entregou suas roupas a seu pai, dizendo-lhe: “Até agora tu tens sido meu pai na terra, mas agora poderei dizer: ‘Pai nosso, que estais nos céus”.

Conversão

Após sua conversão, viveu humildemente com traje extremamente simples, na cor marrom e com uma corda amarrada na cintura. Conhecido por ser o santo que ama a natureza e os animais, Francisco dedicou sua vida para ajudar os enfermos e pobres. Realizou milagres e tocou os corações daqueles que fizeram parte de sua vida.

Um dos milagres mais conhecidos foi as chagas em suas mãos. Retiramos este trecho dos textos escritos por Tomas de Celeno, autor das três obras sobre a vida, obra e milagres operados, a pedido das autoridades da Ordem franciscana.

As chagas

Dois anos antes de entregar o espírito ao céu, no eremitério chamado Alverne, na província da Toscana, onde já estava todo entregue ao retiro da contemplação da glória celeste, teve uma visão de um Serafim posto numa cruz, com seis asas e pairando sobre ele, com as mãos e os pés pregados na cruz.  Quando viu isso ficou muito espantado, mas, como não sabia o significado da visão, seu coração sentiu uma mistura de tristeza e de gozo.  Pôs-se a pensar profundamente no que aquele oráculo poderia significar, e seu espírito ficou ansioso por descobrir alguma coisa.  Mas, enquanto dava voltas fora de si, perdeu a compreensão do que descobrira e nele se manifestou o sentimento. Pois logo começaram a aparecer em suas mãos e pés sinais de cravos, como vira um pouco antes no homem crucificado no ar. 

As cabeças dos cravos, nas mãos e nos pés, eram redondas e negras, mas as pontas eram compridas e rebatidas, surgindo da própria carne e sobrando para fora do corpo. O lado direito também parecia perfurado por uma lança, atravessado por uma cicatriz que, muitas vezes, quando sangrava, molhava sua túnica e suas calças com o sangue sagrado”.

Ele morreu no dia 3 de outubro de 1226, com 44 anos, e em 1228 foi canonizado pela Igreja Católica. A celebração deste grande santo acontece no dia 4 de outubro e se caracteriza por uma grande festa dos italianos católicos, afinal, São Francisco de Assis é o padroeiro da Itália.

Anualmente, Assis recebe milhões de visitantes e seus principais pontos turísticos foram transformados em santuários por viajantes e religiosos que fazem a rota franciscana.

Curso

Em homenagem ao padroeiro da Itália, a I Bravissimi desenvolveu um curso totalmente online, que acontecerá nos dias 01 e 02 de outubro, das 19h às 20h30.

“São Francisco em Assis: História, Arte e Espiritualidade” foi desenvolvido pelos docentes André Pelegrinelli, doutorando em História Social pela Universidade de São Paulo, e Sidney Damásio Machado, doutor em Teologia Espiritual pela Pontificia Università Gregoriana, Itália.

Para mais informações envie um WhatsApp para 55 (43) 9 957-7031 ou se inscreva no site www.ibravissimilondrina.org 

 

podcast Engenharia Científica

Como conseguir estágio em Engenharia?

“Sem limites” e o mito do uso de 10% do cérebro