in

A contracultura versus os novos narcisos

Contracultura

Essa semana o programa Marginália constrói um contraponto entre os conceitos de contracultura e dos novos narcisos ao som de Arnaldo Baptista e Tim Maia.

A característica fundamental da Contracultura é ser a expressão de uma visão juvenil, foram nos jovens que inventaram a contracultura (e fenômenos afins, como o tropicalismo, o movimento punk, hippie) e, portanto a rejeição a ela pela maturidade é inevitável.

A história da cultura do ocidente é marcada pela visão juvenil, seus momentos mais inovadores e radicais foram responsabilidade dos mais jovens. Nossa cultura é marcada pelo arquétipo do jovem rebelde, um culto tão poderoso quarto a sua antítese, o respeito oriental pelos mais velhos.

Um mundo organizado pela visão madura, manifesta em toda espécie de leis e regulamentos, deve sofrer periodicamente as fraturas criadas pela visão juvenil. Trata – se da condição de equilíbrio mínimo, capaz de insuflar a renovação num mundo dominado pela rigidez da ordem.

Ainda que perigosa, a anarquia juvenil, ao contrário, é vitalizadora. Movimentos culturais tipicamente dominados por jovens, como os surgidos na era áurea do “Poder Jovem”, os anos sessenta, como a Contracultura e o Tropicalismo, são exemplos típicos da visão juvenil.

O centro vital da Contracultura era a experiência da expansão da consciência. A mente se expande, a realidade se amplia. Não se trata mais de uma cisão esquizofrênica que abandona o corpo para tratar da alma, mas simplesmente perceber que corpo e alma são muito mais do que pensam tanto materialistas quanto espiritualistas.

A liberdade de consciência é a verdadeira fonte de todo poder realmente revolucionário.

Mas essas ousadias da época tiveram que ser anuladas, ou eliminadas, ou, pelo menos, distorcidas para que o mundo continuasse a ser o que era e “os mesmos patifes de sempre continuassem a mandar em tudo”, conforme disse John Lennon, ao declarar o fim do sonho. Para isso, os meios de anulação, eliminação e distorção foram aperfeiçoados e refinados.

Hoje, as manifestações juvenis de nosso passado recente, depois de domadas, assimiladas e distorcidas pelo sistema, foram substituídas pelo paradigma de eficiência empresarial (o tal do Yuppie) e, o que é pior de tudo, imposto como modelo aos ainda mais jovens, ou seja, nossas crianças.

O indivíduo contemporâneo não é destituído de personalidade, mas sim possui um novo tipo de personalidade, uma nova consciência, feita de indeterminação e flutuação. Nos tempos atuais, Narciso espelha a condição humana nesta mutação antropológica que se realiza diante de nossos olhos: o surgimento de um perfil inédito do indivíduo nas suas relações consigo mesmo e com o seu corpo, com os outros, com o mundo e com o tempo no momento em que o “capitalismo” autoritário cede lugar a um capitalismo hedonista e permissivo (LIPOVETSKY, 2005, p.32).

A dinamicidade do ambiente, tempo e espaço contemporâneos é organizada para acelerar a circulação dos indivíduos e, assim, pulverizar a sociabilidade. Vários sinais fazem pensar que entramos na era do hiperconsumismo e hipernarcisismo. Estamos numa sociedade que massifica, padroniza e, ao mesmo tempo, cria seres autônomos e ambíguos, estimula os prazeres e produz comportamentos angustiados e esquizofrênicos divididos entre uma cultura do excesso e o elogio da moderação. Em contrapartida, o medo de tornar-se obsoleto faz com que fiquemos obcecados por informação, pelo novo, inédito, consumamos nossa própria existência prolongando incessantemente nosso imaginário com pseudo necessidades, fenômeno que extrapola as categorias de classes sociais.

Seja Simples

O Terno

O Terno: power-trio de rock experimental