in

A exuberância de Prince

Eu sou a Luciana Telles e esse é mais um Alma Preta. Atualmente, há muita sensualidade, glamour, luxo, sucesso e artistas versáteis que tocam variados instrumentos. Mas há também o único e exuberante Prince! E estou extremamente honrada em produzir este programa somente com as músicas dele!

Ouça o podcast. 

Por Luciana Telles.

Nesta edição, eu apresentarei as histórias de um dos principais artistas da música mundial, assim como alguns de seus maiores sucessos, revivendo um estilo de programas especiais que costumávamos ouvir no rádio nos anos 1980 e 1990. Em primeiro lugar, começamos especialmente com uma das criações mais fantásticas já produzidas em toda a história da música pop: “Sexy M.F”.

Início da carreira

Prince nasceu em Minneapolis nos Estados Unidos no ano de 1958. Desde muito cedo ele demonstrava interesse pela música, obviamente influenciado pelo ambiente familiar, já que o seu pai era compositor e pianista e a sua mãe cantava jazz.

Mas, foi no ano 1980 que o Prince revelou ao mundo a sua primeira grande obra “Dirty Mind”, um disco que mistura Soul Music, New Wave e Pop. Assim como os anteriores, “Dirty Mind” foi composto, arranjado, gravado e produzido unicamente por Prince, com a exceção apenas dos teclados da faixa-título.

Posteriormente, no ano de 1982, veio a segunda grande obra de Prince: o disco “1999”. A primeira faixa deste álbum duplo é, mais uma vez, a faixa-título. Nela Prince critica a proliferação do uso de armas nucleares. Quem viveu os anos 80 como eu, mesmo sendo criança, se lembra do medo constante de um apocalipse nuclear no ápice da guerra fria.

Clássico indiscutível

Neste programa, eu faço um apanhado da discografia de Prince e dedico a todos os fãs deste artista genial, que lançou 39 discos de estúdio, cinco trilha sonoras, além de inúmeros discos ao vivo e muitos videoclipes. 

Acima de tudo, Prince ousou e misturou estilos tão diversos quanto ao funk, rock, pop e foi um furacão nos palcos. Ele cantava e tocava e dançava como ninguém, isso sem falar nos figurinos provocantes e até comparáveis com os de artistas como David Bowie. Por todos esses motivos,Prince foi um dos artistas mais talentosos imprevisíveis e inigualáveis de todos os tempos.

A gente termina esse programa com aquela que, com certeza, você sentiu falta ao longo do programa todo. Mas é porque eu guardei ela pro finalzinho. São mais de oito minutos de música. Uma obra de arte que não poderia ficar no meio do programa.É claro! Eu estou falando de “Purple Rain”.

Nós ficamos aqui com mais uma edição do Alma Preta.

Beijos e até a próxima!

O Heavy Metal do Battalion

Contratempo Festival: 15 minutos de silêncio que fizeram barulho