in

Alma Preta estreia na programação da Alma Londrina

ITALY - AUGUST 01: Photo of Aretha Franklin 4; live in Palermo (Photo by Jan Persson/Redferns)

O Alma Preta estreia hoje na Alma Londrina Rádio Web comandado pela DJ Luciana Telles.  O programa promove a viagem de volta às músicas e artistas do passado que ecoam em nossos corações até os dias atuais. 

Toda semana Luciana vai contar um pouco do que há por trás dessas canções marcantes que fazem parte da nossa história, o porquê a gente se identifica tanto com elas e o quanto essas músicas já se tornaram nossas. 

Ouça o podcast:

Por Luciana Telles. 

Ícone da música negra americana, Rainha do Soul, maior cantora de todos os tempos, segundo a revista Rolling Stone, ganhadora de 20 Grammys e dona de PENCAS de singles nas listas dos mais vendidos da Billboard. Parece muito? Mas pra falar de Aretha Franklin, isso é só o começo.

“I Say a Little Prayer” começa o programa. Essa música foi lançada primeiro pela Dionne Warwick em 67 e depois recriada pela Aretha Franklin e lançada em 68 no disco “Aretha Now”.

Se você quer pegar um álbum da Aretha e ouvir assim inteirinho pra subir o astral mesmo vai nesse, porque é uma preciosidade atrás da outra. E também está no Aretha Now a música THINK, que dos anos 60 até hoje vem engrossando a luta das mulheres por igualdade e respeito. Delícia de música, Think foi trilha sonora do filme “Blues Brothers” (Os Irmãos Cara de Pau).

Na letra, Aretha dá um toque dizendo: “Pensa no que você tá fazendo comigo. Eu não sou psiquiatra, eu não sou doutora com títulos, mas não precisa de muito QI pra ver o que você tá fazendo comigo”. Quer dizer, basicamente, Aretha tá mandando um “fica esperto” pros caras. Vamos ouvir THINK!

Aretha, como todas as outras cantoras do soul e rhytmn blues, começou cantando na igreja e logo chamou atenção das gravadoras. Ela quase assinou com a Motown Records. Aliás, eu devo confessar pra vocês que eu achava que ela tinha lançado um disco pela Motown Records. Mas aí pesquisando descobri que não. Ela nunca lançou nada pela Motown. A Rainha do Soul foi pra Columbia em 61 e fez nove álbuns por lá.

Nesse tempo a pegada era um pouco diferente: mais voltada pro jazz e blues. Eu acho essa fase maravilhosa também, mas Aretha estourou mesmo quando foi pra Atlantic Records e, a partir de 67, vieram vários sucessos. Sente só o refrão de “Baby I love you”, que foi trilha de Goodfellas (Os Bons Companheiros), filmaço do Scorsese.

Agora vamos pra mais um trechinho de outro sucesso da Aretha Franklin: “Since You’ve Been Gone”. No programa eu toco uns trechinhos das músicas que eu gostaria de tocar por inteiro, mas não dá tempo. É muito hit da Aretha. A gente vai ouvir uma inteirinha, “Natural Woman!”

No começo da era na Columbia, por questão de estilo dos produtores da gravadora, parece que Aretha fazia menos sucesso do que merecia. Mas bastou trocar de gravadora e ela decolou. A canção de quando ela estourou mesmo foi “I Never Loved a Man (The Way I Love You)”, que é lindíssima!

“I Never Loved a Man (The Way I Love You)” está no álbum de mesmo nome lançado em 67, quando Aretha, além de estar nas listas das mais tocadas do Rhytmn Blues, invadiu também as listas dos melhores do pop. Esse é outro álbum que eu recomendo ouvir inteirinho “I Never Loved a Man (The Way I Love You)”, que leva o mesmo nome da canção. Está nele o hit máximo de Aretha: “Respect”, a canção assinatura dela na mesma linha de “Think”, que a gente já ouviu aqui no programa.

Eu toquei o “Respect”. E, pra quem não sabe, essa composição originalmente é do Otis Redding. Nela, ele pede respeito às mulheres. Mas aí veio Aretha, maravilhosa, e reescreveu a letra, que se tornou um hino feminista e mudou tudo. A gente ouve essa música até hoje e soa muito atual.

Para encerrar tem uma versão linda da Aretha Franklin para Eleanor Rigby, dos Beatles. Ouçam isso gente! Ela se apropriou totalmente dessa canção  e imortalizou uma versão completamente diferente da original.

Bom, é isso aí! Foi demais! Essa é Aretha Franklin, a rainha do Soul.

Um beijo e até semana que vem!

Podcast da Alma – EP07 divulga Alma Preta e o teatro decolonial

Exterminate: 16 anos de Brutal Death Metal